Thursday, June 18, 2009

Véspera

Foto retirada do site www.japiassu.com.br



Antes batia-me a porta...
Agora sobe sem anunciar as escadas:
Ignoras o cadeado.
E me trancafia entre segredos que não me tormentam.
Antes calava ante minha dúvida maior.
Tinhas vergonha de peido.
E arriscavas cantigas ao microfone.
Tudo para me comover?
Ou talvez tornar-se algo que simplesmente inexiste.
Hoje meu amor não navega, voa.
Hoje faz de meu dono sem escravizar.
Sabiamente tolera o que irrita.
Ri das minhas bobeiras e me faz mais fêmea que jamais supus.
Hoje esse amor sobe elevador.
Interfona avisando a chegada.
Tem ética singular e anda de tênis pelas calçadas.
Meu amor anda passo a passo comigo, mesmo em tua ausência.
Tem e-mail, endereço e telefone fixo.
Amor que feito ave pousou na adolescente que sem sentir virou loba.
Amadureceu.
Crou vôo próprio e asas firmes.
Amor que ouve Vanessa da Mata e Vander Lee.
Amor que aconchega e abraça se faz frio.
Que sussurra a alma encantos celestes.
Amor sem fronteira.
Com cabeceira de cama enfeitada.
Plantas espalhadas pela casa e encontros inusitados.
Amor de surpresa com sabor de sobremesa.
Amor sadio, maduro e irreverente.
Amor de quem sabe e sente.

Para Tonga
18/06/09

5 comments:

Herculano Neto said...

Nesse cafundó habita a poesia. Abs e força sempre.

Fatima said...

Parabéns Alyne!
Seus textos são ótimos! Prendem nossa atenção de forma carinhosa e delicada seja qual for o tema e seu blog tb é lindo.
Abrs.

Luciano Fraga said...

Alyne, poesia em forma de declaração de amor ou vice- versa, belo, felicidades, abraço.

daufen bach. said...

Olá, passando para rever o cafundó.
sempre acompanho e percebi que a mais de 2 meses nao tem atualização...ara, rs. Eu gosto do cafundó, leitor assíduo embora comente pouco.
Volte logo a postar, por favor...rs

abraço terno a ti.

daufen bach.

O empírico said...

O amor é assim, acontece.

Linda declaração.