Thursday, March 01, 2007

Se Um Urubu Voar


Poderia esperar por toda a vida
Enquanto os grilos etoam óperas nos vãos dos brejos
E o ursinho Puff de meu filho me olha taciturno
O que foi feito da mãe?
O que foi feito da fêmea?
O que foi feito da gema.
Eu, que não sei ser pela metade
Resto inteira...
Faz frio no sertão.
Recito...
Reverbero...
Deságuo nos riachos que persistem.
Mas, resto-me fêmea inteira
Já sem medos
De garras afiadas
Língua afiada
Cantarolando Dezessete e setecentos
“Você tem que me voltar dezessete e setecentos...”
E se a vida me fez a distância, volto os olhos
Um caldo de maxixe
Um vôo de urubu sobre tanta carniça de corrupção
E já quase meio morta
Tabaco na aorta!
E ainda muito viva:
Alegria e recital.
Que a vida nasce nova quando qualquer poema rasga a alma
O retrato adolescente de meu pai se emudece diante de tanta beleza.
Meu deus, se há deus, ele vê.
E hoje nem é dia de ouvir Chico.
Hoje era dia de ligar candeeiro e caçar feriado na folhinha.
Era pra ta na roça e comer mi assado.
A vida é uma farofa e viver é amassado.
“Cumpadre, tu ta vendo o que eu to vendo?”
É cumpade, mundo veio cheio de falsos profetas e ocultos poetas....
Mundo véio de meu Deus...
De Deusas, Deusinhas e Deusanas...
Das Dores, Da Conceição e Damiananas.
Se o mundo é assim...
Quero ele pra ele e pra mim.

Alyne Costa
Brumado, 28 de fevereiro de 2007


About Urubu:

URUBU-REI
Nome Popular: Urubu-reiNome científico: Sarcoramphus papaFamília: Cathartidae
Ave grande e de colorido vistoso. Envergadura de 180 cm e peso ao redor de 3 kg. Asas largas o que propicia excelente vôo. Asas brancas e negras com o mesmo desenho na parte superior e inferior.
Cabeça e pescoço nus, violáceos-vermelhos, junto às narinas há uma carúncula carnosa amarelo-alaranjada, maior e pendente nos machos. Iris azul claro.
Caminham desajeitadamente; pernas relativamente longas. Não cantam, porém sabem bufar. Para regulação da temperatura corpórea, abrem as asas.
Como consumidores de carne em putrefação desempenham importante papel saneador, eliminando matéria orgânica em decomposição.
São dotados de visão muito aguda, circulando nas alturas já de madrugada e ao crepúsculo. O fato da onça cobrir um animal abatido que não pode ser comido de uma só vez, pode ser uma adaptaçãp para burlar a acuidade visual dos urubus.
Espécie escassa tendo em vista a perseguição como troféu. É mais regularmente encontrado no Norte, Nordeste e Brasil Central.



Sei lá se os urubus que vejo são reis, duques, nobres de vôos, mas chegados a uma carniça. O urubu são mestres na cadeia alimentar.

Viva o URUBU!

1 comment:

Savius Maximus said...

Lá no meu sertão... Tem um bicho que avoa que nem avião.
É um pássaro malvado, tem um bico volteado que nem gavião.